O Adeus

black_and_white_portrait_of_guy_next_to_a_window

Como é possível os sentimentos mudarem assim de um momento para o outro? Como é possível uma relação de seis anos ir assim por água a baixo, sem um motivo minimamente válido? Dizes que sou acomodado, que te dou tudo o que posso mas que isso não chega para ti. Dizes que te apaixonaste pelo António e que apesar de não te amar tanto como eu, te dá uma sensação de liberdade e adrenalina que nunca te dei. Seis anos das nossas vidas que afinal foram em vão. Tinha tudo para ser perfeito, parecia um amor inabalável. Chego à conclusão de que realmente foste muito boa atriz, não percebo como se pode fingir tão bem que se ama alguém. Fizeste-me acreditar que era eterno, que irias ser tu a mãe dos meus filhos e que um dia morreríamos juntos, de mãos dadas numa qualquer noite solitária. Fizeste-me acreditar no amor. Acabaste de fazer com que deixe de acreditar nesse mesmo amor. Dizem que os homens não choram, mas conseguiste deixar-me num estado tal que até o Bill fica a olhar para mim como se me quisesse confortar e não conseguisse. Deixaste-me de tal forma que até este Continue reading “O Adeus”