Etiquetas

, , , , , ,

6249349726_9581be1613_z

Este poderá ser um tema controverso para grande parte da população. Será que se podem fazer amigos reais através da internet? Pois bem, a minha resposta é: Sim, podem! Claro que não nos devemos andar a aventurar por aí no mundo virtual à procura de pessoas que queiram ser nossas amigas nem a dar conversa a todo o mundo, mas a verdade é que é possível fazer amigos reais através da internet. Vou falar um pouco da minha experiência pessoal, e de quatro casos, todos diferentes, pessoais bem sucedidos. Começo por vos falar numa amizade nascida numa rede social, não sei precisar quem adicionou quem, não faço ideia quem aceitou quem como “amigo” e muito menos me lembro da nossa primeira conversa. Sei apenas dizer-vos que ainda hoje falamos, e que nos podemos considerar amigos, e apesar de vivermos a 400kms de distância, não deixamos de nos preocupar, de estar presentes os momentos mais importantes da vida de cada um, etc (não é isto o que os amigos supostamente deveriam fazer?). Tantos outros houveram que nas mesmas circunstâncias, por uma razão ou outra não ficaram a fazer parte da minha vida. Sim, podem até achar que não o devia ter feito, mas quem durante a adolescência (e até idade adulta) nunca adicionou alguém que não conhecia numa rede social que atire a primeira pedra. A segunda história de que vos quero falar também começou na adolescência. Como já vos disse num artigo anterior, o futebol é um dos meus mundos, pois esta história começou mesmo por causa do futebol. Como sportinguista que sou, passava a vida à procura de vídeos sobre o clube e sobre um jogador em particular, o João Moutinho, e foi ao ver um vídeo feito pela V. que decidi contacta-la, desde então somos amigas, amigas íntimas, posso assegurar. É a minha colega de idas ao estádio, somos confidentes uma da outra, estamos em permanente contacto e a nossa amizade acabou por ir muito mais além do futebol. Não estamos juntas tanta vez como desejaríamos, mas a vida é mesmo assim. Outra das amizades começou por causa de um concurso de música, no verão de 2008, eu inscrevi-me num site para poder votar num amigo que estava a concorrer e, com toda a lata do mundo, o G. fez o favor de me deixar um comentário super original e cheio de originalidade para eu votar nele. Como é obvio eu não podia ficar calada face à provocação e tive de responder. Hoje, é como um irmão para mim, conheço-o como ninguém e ele conhece-me como ninguém a mim. Podemos estar semanas sem falar, mas quando precisamos um do outro, estamos lá, seja por telefone, skype ou e-mail. a última história é, por ventura, a mais caricata. Não envolve redes sociais, não envolve vídeos do sporting nem sequer sites de concursos. A amizade com o M. começou com o chat da sapo, sim, o do e-mail que era uma espécie de msn. Não sei por que carga de água, mas apareceu nos contactos, ou contacto a adicionar, ou coisa que o valha, o e-mail de um rapaz, supostamente do meu distrito, com que eu, claro fiz o favor de falar, até porque leiga como sou nestas coisas das internets, não fazia ideia do porquê de o ter na minha lista e queria perceber a razão. Saiu um benfiquista, amante de desporto, com quem mantenho uma estreita relação de amizade e em quem confio a 100%. Podia ficar a falar-vos destas quatro pessoas durante horas, mas o importante aqui é perceber e demonstrar que a internet pode não ter só coisas boas, mas também não tem só coisas más. Ao T., à V., ao G e ao M. só tenho a agradecer por ainda hoje fazerem parte da minha vida.

Anúncios