Dizem que a vida é uma tela em branco. Mas tenho de discordar…

Para mim a vida é, no máximo, um desenho pré-feito só de linhas e que vamos colorindo à medida que percorremos o nosso caminho, à semelhança do que acontece com os livros para pintar das crianças, que chega só com os contornos e acaba cheio de cor. Uns certinhos e dentro dos limites pré-definidos e outros a rasurar aquilo que foi imposto pelo criador da obra.

Para mim isto é a Vida. Todos nascemos com uma missão pré-desenhada pelo Universo, por Deus, ou por uma qualquer força maior em que possamos acreditar. Cabe-nos dar-lhe cor. Criar. Dar vida a cada uma das páginas à medida que vamos avançando cada capítulo.

Há quem lhe chame destino e viva sempre dentro do risco, em segurança, sem arriscar, com medo de ultrapassar a linha, mantendo-se sempre na sua zona de conforto.

Eu sou daquelas pessoas que aceitam o desenho mas não aceitam o que por ele é imposto e gosto daqueles que, tal como eu, não têm medo de sair da linha, não têm medo de arriscar e não se importam de re-desenhar todos os momentos que lhes estão pré-destinados.

A felicidade está na arte de colorir a nossa história sem medos, sem deixar que nos imponham regras, mas a felicidade está, principalmente, em fazer instalações artísticas na nossa história sem medo do que os outros possam dizer ou pensar.

Só quando colorimos a nossa vida segundo a nossa vontade poderemos saber o que é ser feliz!

E ainda dizem que a vida é uma tela em branco…

Hélia

Algures entre telas incompletas e livros infantis

Anúncios